Edição online semanal
 
Sexta-feira 19 de Abril de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Brexit: Corbyn oferece apoio ao governo se May negociar união aduaneira com a EU

08-02-2019 - TVI24

Líder trabalhista avisou ainda que May não terá o seu apoio apenas se obtiver concessões da União Europeia sobre a questão da fronteira da Irlanda do Norte.

O líder do Partido Trabalhista, principal partido da oposição britânica, ofereceu à primeira-ministra, Theresa May, o apoio a um acordo de saída do Reino Unido da União Europeia se o país negociar uma união aduaneira com a UE.

As cinco condições do líder trabalhista incluem uma "união aduaneira permanente e abrangente em todo o Reino Unido" que implique "um alinhamento com o código alfandegário comum, uma tarifa externa comum e um acordo sobre política comercial que inclua poder de decisão do Reino Unido sobre os futuros acordos comerciais da União Europeia".

Corbyn também quer um alinhamento estreito com o mercado único da UE, um "alinhamento dinâmico dos direitos e proteções" para os trabalhadores, a participação em agências da UE e programas de financiamento e, por fim, acordos sobre segurança, como a manutenção do acesso ao mandado de detenção europeu.

O líder trabalhista vinca que May não terá o seu apoio apenas se obtiver concessões da União Europeia sobre a questão da fronteira da Irlanda do Norte.

Porém, a primeira-ministra já apontado no passado objeções a esta posição de Corbyn, porque tal impediria o Governo britânico de comandar a sua própria política comercial e negociar acordos bilaterais com países terceiros.

Para já, Theresa May está empenhada em tentar renegociar uma alternativa à solução de salvaguarda, conhecida como ‘backstop', para evitar uma fronteira com controlos na Irlanda do Norte com a vizinha Irlanda.

Theresa May encontra-se hoje em Bruxelas com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, com o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, e com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Na sexta-feira, a primeira-ministra britânica viaja até Dublin para uma reunião com o homólogo irlandês, Leo Varadkar, quando vão faltar apenas 49 dias para a saída do Reino Unido da UE, a 29 de março.

A fronteira aberta para a livre circulação de pessoas, bens e serviços é um compromisso assumido nos acordos de paz para o território assinados em 1998 pelos governos britânico e irlandês, no âmbito da União Europeia.

A solução prevista no Acordo de Saída negociado entre o governo e Bruxelas será ativada se não estiver concluído um novo acordo comercial após o período de transição, no final de 2020, mantendo o Reino Unido na união aduaneira europeia e a Irlanda do Norte sujeita a certas regras do mercado único.

Conservadores eurocéticos e o Partido Democrata Unionista opõem-se, alegando que existe o risco de ficar em vigor por tempo indeterminado e de forçar a Irlanda do Norte a cumprir um quadro regulatório diferente do resto do país.

Esta posição contribuiu para a rejeição em 15 de janeiro por uma margem de 230 votos do acordo negociado por Theresa May com Bruxelas e a aprovação por uma margem de 16 votos de uma proposta que defende a renegociação do tratado para substituir aquele mecanismo por uma alternativa.

A primeira-ministra prometeu que voltaria ao parlamento a 13 de fevereiro para uma nova declaração sobre o ‘Brexit' se não conseguir um novo acordo, a que se segue um novo voto dos deputados.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome