Edição online semanal
 
Quarta-feira 12 de Dezembro de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Marinha investiga desaparecimento de agulhetas de incêndio a bordo de navio

23-11-2018 - Manuel Carlos Freire

Guarnição do reabastecedor Bérrio foi proibida de sair na segunda-feira para se perceber o que aconteceu.

É o mais recente caso de desaparecimento de material militar e outra vez na Marinha, com a descoberta de que faltam 14 agulhetas de incêndio a bordo do navio reabastecedor Bérrio, soube o DN.

A informação foi confirmada nesta quarta-feira ao DN pelo porta-voz da Marinha, comandante Pereira da Fonseca, depois de questionado sobre um caso que ocorre poucas semanas após a perda de uma caixa de munições na via pública e de uma farmacêutica

O oficial adiantou estar em curso uma averiguação interna para saber o que se passou.

Além das agulhetas que estão ligadas às mangueiras para combater incêndios, outras estão guardadas em armários como material de reserva do Bérrio - e só nas próximas horas, depois de o navio atracar, é que se poderá saber se o oficial averiguante a bordo conseguiu saber alguma coisa.

Os militares da guarnição do Bérrio ficaram retidos na segunda-feira, tendo o comandante do navio invocado ordens do comandante naval, vice-almirante Gouveia e Melo, para adotar aquele procedimento, de acordo com fontes militares ouvidas pelo DN sob anonimato por não estarem autorizadas a falar.

O comandante Pereira da Fonseca confirmou que a PJ Militar (PJM) foi chamada de imediato para investigar o caso e recolher eventuais provas, o que justificou a retenção dos marinheiros a bordo.

Contudo, verificou-se a impossibilidade de o piquete da PJM ir ao local antes de o navio ser obrigado a zarpar na terça-feira para sair do Alfeite antes de a maré mudar.

O navio concluiu nesta quarta-feira o exercício, tendo fundeado à espera que a maré permita a sua entrada na base naval de Lisboa (Alfeite) quinta-feira.

Pereira da Fonseca garantiu que os marinheiros serão autorizados a desembarcar e gozar as respetivas licenças após a atracagem do navio.

Segundo o regulamento interno das forças e unidades navais, "não pode ser cancelada qualquer saída diária sem a devida autorização do comandante".

Por outro lado, estão autorizados a sair os militares da guarnição que "não se encontrem disciplinarmente impedidos, não estejam nomeados para serviço de escala [ou] não estejam impedidos por outras razões de serviço".

Este novo desaparecimento de material militar em instalações das Forças Armadas surge ano e meio após o furto de armas em Tancos, cuja comissão parlamentar de inquérito ao caso inicia esta quinta-feira os seus trabalhos.

No plano judicial, o processo continua sob investigação e envolve agora um segundo inquérito à operação forjada de recuperação do material por parte da PJM, em outubro passado.

No plano político, o caso levou à demissão do ministro da Defesa Azeredo Lopes e, após a posse de João Gomes Cravinho como sucessor, a do general Rovisco Duarte como chefe do Estado-Maior do Exército.

Fonte: DN.pt

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome