Edição online semanal
 
Quarta-feira 15 de Agosto de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Estados Unidos detectam "novas atividades" com mísseis na Coreia do Norte

03-08-2018 - Andreia Martins

Os serviços de informação norte-americanos detetaram novas movimentações junto à fábrica de Sanundong, nos arredores de Pyongyang, local onde foi produzido o primeiro míssil balístico intercontinental capaz de atingir território norte-americano. As novas informações surgem quase dois meses depois da cimeira de Singapura, onde o líder norte-coreano Kim Jong-un se comprometeu com o objetivo vago da desnuclearização, sem especificar em que moldes o faria.

Enquanto decorrem as negociações entre as diplomacias da Coreia do Norte e dos Estados Unidos, vários responsáveis norte-americanos vieram esta semana denunciar novas atividades junto às infraestruturas de Sanundong.

Segundo a informação revelada por um responsável norte-americano à agência Reuters, as imagens com recurso a infravermelhos e fotografias de satélites norte-americanos mostram veículos a entrar e a sair do local, não sendo no entanto elucidativas de como poderá estar a decorrera eventual construção de novos mísseis.

Estas informações foram reveladas à agência Reuters sob condição de anonimato, uma vez que se trata de um assunto é classificado.

De acordo com este responsável, há uma foto que mostra veículos parecidos com aqueles que foram anteriormente usados pela Coreia do Norte para mover mísseis balísticos intercontinentais.

O responsável referiu, no entanto, que as fotografias mostram que o reboque onde seguia o material estava tapado, pelo que não foi possível apurar ao certo o que estava a ser transportado.

Na segunda-feira, foi a vez do Washington Post noticiar a aparente construção de um ou dois novos mísseis balísticos intercontinentais de combustível líquido também em Sanumdong, nos arredores da capital norte-coreana. O diário norte-americano cita responsáveis norte-americanos ligados aos serviços de informação.

Sanumdong é a mesma fábrica onde foram construídos dois mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) norte-coreanos, incluindo o Hwasong-15, um míssil com capacidade comprovada para atingir a costa leste dos Estados Unidos.

O material recolhido nas últimas semanas pelos serviços norte-americanos, designadamente pela National Geospatial-Intelligence Agency, mostra que decorrem trabalhos em pelo menos um míssil da mesma tipologia, refere o Washington Post.

O especialista Jeffrey Lewis refere ao jornal norte-americano que os movimentos diários em Sanumdong são a prova que esta infraestrutura está longe de estar desativada.

Para este mesmo responsável, a Coreia do Norte nunca prometeu desistir das suas armas nucleares. “Eles estão dispostos a aceitar certos limites, tais como não fazer testes nucleares ou de mísseis. (…) Mantêm a bomba, mas deixam de falar sobre ela”, refere o perito sobre a posição norte-coreana em declarações ao Guardian.

Segundo os responsáveis ouvidos pelo diário norte-americano, o centro de Sohae para o lançamento de satélites e mísseis parece estar a ser desmantelado, como mostram as imagens. No entanto, este desmantelamento é visto por muitos especialistas como simbólico, uma vez que o local de testes poderia ser facilmente restabelecido em poucos meses.

Atividade nuclear continua

A informação reunida pelo Washington Post e pela Reuters não sugere um aumento real nas capacidades nucleares da Coreia do Norte, mas mostra que o desenvolvimento de armamento não parou, apesar do otimismo expresso pela Administração Trump.

“Apesar do que os responsáveis norte-americanos têm dito, a Coreia do Norte não fez grandes compromissos quanto à desnuclearização. Não é surpreendente que a Coreia do Norte queira continuar com o seu programa nuclear e de mísseis até que um acordo seja alcançado. Não vão parar apenas porque houve uma cimeira”, refere ao jornal The Guardian Mintaro Oba, antigo diplomata norte-americano que trabalhou sobre a Coreia do Norte.

No dia seguinte ao encontro com Kim Jong-un, após a cimeira de junho em Singapura, o Presidente norte-americano escreveu no Twitter que a Coreia do Norte já não constituía uma “ameaça nuclear”.

Neste encontro histórico entre os dois líderes foi aprovado um documento genérico onde, entre outros pontos genéricos, a Coreia do Norte comprometia-se a trabalhar rumo à “desnuclearização completa” da Península Coreana, sem estabelecer prazos e mecanismos para o desmantelamento do material nuclear.

As negociações entre as diplomacias norte-americana e norte-coreana têm decorrido nas últimas semanas sem resultados conclusivos. Na semana passada, o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo admitia, numa audiência realizada no Comité de Relações Externas do Senado, que Pyongyang continua a produzir material físsil para bombas nucleares.

Fonte: RTP

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome