Edição online semanal
 
Segunda-feira 21 de Maio de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Hospital de Santa Maria sem meios para tantos doentes com cancro

11-05-2018 - Nuno Guedes

Já há tratamentos adiados. Um dos maiores hospitais do país está sem capacidade para responder à avalanche de doentes com cancro que querem aí ser tratados, mas não pode contratar médicos.

O director da Oncologia do Hospital de Santa Maria garante que o serviço que dirige não tem capacidade para responder a todos os doentes que procuram o serviço.

A hipótese, decidida pelo Governo, dos utentes escolherem onde querem ser tratados fez disparar a procura num hospital que nesta área é de referência no país, mas não há meios para responder a todos.

Luís Costa, que também é presidente da Associação Portuguesa de Investigação em Cancro, adianta numa entrevista à TSF que espera que não aconteça e se encontrem entretanto soluções, mas estão à beira de abrir, pela primeira vez, uma lista de espera.

Na última sexta-feira já foi preciso adiar tratamentos por uma semana, mesmo tendo acabado o trabalho às 21h30, quando, como sublinha, "todos os tratamentos em cancro são urgentes".

O responsável da oncologia do Santa Maria diz que é preciso encontrar soluções e acrescenta que têm tido excelentes internos nesta área que até queriam ficar a trabalhar no serviço, mas as vagas não são abertas: "Ontem despedimo-nos de mais uma...", detalha.

Depois, além da falta de médicos, até o espaço físico do serviço não chega para o crescimento abrupto de doentes.

Luís Costa adianta que é preciso pensar, planear e não apenas responder aos meios de comunicação social com medidas que parecem agradar às pessoas, mas que na prática complicam muito a capacidade de resposta dos hospitais, nomeadamente na área do cancro.

O médico refere-se à possibilidade, criada em 2016 pelo atual Governo, dos doentes escolherem onde querem ser tratados e admite que hoje o serviço de oncologia do Santa Maria está, em consequência, claramente, com excesso de doentes.

O médico explica que se há um espaço onde se prevê receber um certo número de doentes e este número de repente aumenta muito, "é impossível servir os doentes com qualidade mínima".

O problema preocupa o secretário-geral da Liga Portuguesa Contra o Cancro. Vítor Veloso adianta que as dificuldades são sentidas por outros hospitais do país.

Contactado pela TSF, o ministério da Saúde não faz para já qualquer comentário.

Fonte: TSF

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome