Edição online semanal
 
Sexta-feira 17 de Agosto de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

"Eles mataram o rio, rebentaram com isto tudo"

09-02-2018 - Céu Neves

O DN percorreu o Tejo duas semanas depois de o rio ter ficado coberto por um manto de espuma. Há pouco peixe e raros são os pescadores que saem com os barcos. E os compradores desconfiam da qualidade do que existe.

"Agora já se parece com água." Este é um comentário de quem é de Vila Velha de Ródão e se perde a olhar para o rio Tejo. Francisco São Pedro, pescador, concorda. "Não tem nada que ver com o que se passou em janeiro, eles foram obrigados a reduzir as descargas, mas continuamos a não poder pescar." Foi o lagostim que o trouxe de volta ao barco, após anos de emigrante, mas agora esta opção não tem dado para a despesa, já que não há lagostim. Tal como também não há a lampreia, rainha no inverno e que se paga bem cara. Além disso, os restaurantes não compram o pescado da zona, queixam-se os pescadores. "Eles mataram o rio." "Rebentaram com isto tudo."

O pescador e o guardião. Vila Velha de Ródão é a primeira paragem da equipa do DN passadas duas semanas do monte de espuma no rio Tejo. Francisco São Pedro (à esquerda), 52 anos, foi pescador durante 20, emigrou para a França e Suíça, apanhou fruta e foi ajudante de motorista, voltou há seis anos, para a pesca do lagostim, que não há. É de Monte do Arneiro, localidade de pescadores de Vila Velha de Ródão. Tem um aliado em Arlindo Marques, 52 anos, "o guardião do Tejo" que é guarda prisional. Luta que motivou uma ação da Celtejo, pedem 250 mil euros. Decorre uma campanha de fundos para sua defesa - "Somos todos Arlindo".

SARA MATOS / GLOBAL IMAGENS

Francisco São Pedro é um dos pescadores no rio Tejo que tem sobrevivido à escassez e aos problemas da poluição. Profissionais reduzidos a 46 quando eram 1091 em 2012, números apresentados por Mário Costa, 47 anos, engenheiro eletromecânico, profissão que partilha com a paixão pela pesca. É o porta-voz do Movimento dos Pescadores pelo Tejo que interpôs recentemente uma ação contra o Estado português no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem por não terem sido tomadas medidas perante as denúncias de poluição. "O que está a acontecer agora denunciámos há muito tempo. Há três anos que ando nesta luta", protesta Francisco São Pedro.

A água está mais transparente junto à margem, o que já não acontece 20 metros à frente, onde desaguam as descargas das três fábricas de celulose do concelho: Celtejo, Navigator e Paper Prime. Francisco leva-nos no seu barco até lá, onde dois técnicos da empresa de Aveiro Xavisub fazem a drenagem do rio. Retiram um líquido preto com um cheiro nauseabundo que colocam em sacos com a capacidade de um metro cúbico, que irá para análise para a Agência Portuguesa do Ambiente (APA). Estão na tarefa há uma semana (12 sacos por dia), irão continuar pelo menos mais duas.

Vai também no barco Arlindo Marques, conhecido por "guardião do Tejo", ele que é guarda prisional. Gravou um vídeo e divulgou a 24 de janeiro o manto de espuma que cobria as águas. É o principal aliado dos pescadores e do rio, o que motivou uma ação da Celtejo por ofensa à credibilidade e bom nome, pedindo uma indemnização de 250 mil euros. O que motivou uma campanha de recolha de fundos para se defender, "Somos todos Arlindo Marques". Em três semanas angariaram 36 % dos 21 885 euros pretendidos. "Sou de Ortiga, Mação, nasci à beira do rio, o meu avó foi pescador, o rio era tudo para esta gente e agora vejo que ficaram sem nada. Tenho um barco e uso o rio como lazer, gosto da natureza", explica Arlindo, sublinhando: "Se os pescadores não me avisassem, ninguém saberia de nada, passavam os piores dias e não se falava mais, não havia provas."

Sai com o barco, mas não para pescar. A barragem de Belver foi a segunda paragem do DN. Um dos pontos limites das análises à água enviadas para a Agência Portuguesa do Ambiente e que teve início em Perais (Vila Velha de Ródão). Francisco Pinto, 50 anos, "pescador a 100%", ainda não conseguiu sair com o barco e trazer peixe. Tem saído mas para apoiar uma equipa de biólogos na monitorização do Tejo. Há dois anos, ele e a mulher tomaram conta do restaurante da família, o Café Lena. Aqui a lampreia é a especialidade, mas não é do Tejo. Vem de França.

SARA MATOS / GLOBAL IMAGENS

Pertence ao movimento proTejo, fez as primeiras denúncias há dois anos. "O boom maior foi quando o Francisco me contou o que se estava a passar e fizemos aquele vídeo", conta. Entre as denúncias referia-se particularmente à Celtejo, sobre quem os pescadores fazem recair as principais culpas pela poluição. "As análises da APA mostram onde é o problema. É muito positivo que tenham mantido a redução das descargas, o rio estava a morrer e a catástrofe deu-se", diz Arlindo Marques.

Na segunda-feira, o ministro do Ambiente decidiu prolongar por mais 30 dias as medidas impostas a 26 de janeiro, destacando-se a redução para metade do volume diário do efluente a ser rejeitado, podendo estas ser prolongadas por mais 30 dias. "As condições hidrológicas e de seca mantêm-se, aguardam-se os resultados de todas as análises e sabemos hoje que se encontram depositados a jusante do local de descarga 12 mil metros cúbicos de sedimentos que já começaram a ser removidos", justifica. Medida que não satisfaz a associação ambientalista Zero que exige consequências por a empresa ter emitido "um valor muito acima do estabelecido na sua Licença de Utilização dos Recursos Hídricos para descarga de efluentes."

Redes ficam pretas quando lançadas. Arripiado, em frente a Tancos, é a última paragem. Já é fora do perímetro crítico da poluição e já se nota alguma atividade piscatória. Mas Carlos Calisto, mais conhecido por Cadafi, 43 anos, também tem razões para se lamentar. "Há pouco peixe e o que pescamos dizem que é ruim. Veja como as redes estão pretas. Não fiz nada em janeiro, saí com o barco há dias. O rio é de todos, não é das empresas de celulose, quem provocou esta poluição deve ser responsabilizado. Rebentaram com isto tudo. Há aqui perto uma celulose e não há problemas de poluição, quer dizer que é possível trabalhar sem estragar."

SARA MATOS / GLOBAL IMAGENS

As autoridades esperam os resultados finais da análise à Celtejo. Apurados os valores das descargas de "cinco das seis entidades suspeitas" (ver infografia) ainda faltam as da Celtejo -, verificou-se que a ETAR de Abrantes "não cumpria", tendo sido objeto de processo de contraordenação.

Francisco São Pedro e os outros pescadores com quem o DN falou acham que a ETAR aparece "como bode expiatório" e que o verdadeiro culpado é a fábrica de celulose Celtejo. "O rio estava poluído, as análises não revelaram problemas na Navigator e na Paper Prime, não é difícil perceber quem é o culpado", acusa Arlindo.

As consequências da poluição são sentidas diariamente por Francisco e outros pescadores. "Pesco lagostim, mais nos dois/três meses de verão, mas sempre se ia apanhando ao longo do ano. Agora não há nada. Fui pescador 20 anos, emigrei para a França e Suíça e voltei há meia dúzia de anos, piorou há dois anos, agora acabou, não tenho saído", queixa-se. Mora em Monte do Arneiro, como Fernando Esteves, 54 anos, "toda a vida pescador". Mostra alguns lagostins que apanhou perto de Espanha. "Aqui não aparece nada e era a altura da lampreia", lamenta. Francisco São Pedro enumera as espécies segundo as estações do ano. "Depois da lampreia o sável, depois as bogas, enguias e no verão o lagostim."

Francisco Pinto, 50 anos, pescador, vive perto da barragem de Belver, também não tem saído ao rio. Há dois anos que ele a a mulher gerem o Café Lena, que a sogra , Helena Matias, 70 anos, fez crescer. A lampreia é uma das especialidades, mas é a francesa que servem à mesa. "Não trabalho com peixe daqui, não tem condições. Tenho o barco parado. Se não fosse o restaurante, não sei como seria", protesta. As vezes que foi para o rio foi para acompanhar equipas de biólogos que monitorizam o Tejo.

O Café Lena fica junto à barragem de Belver, onde para o comboio regional e o Intercidades só quando tem mais de nove passageiros. "Isto afeta toas as populações que vivem em redor do Tejo, os de Vila Franca e Lisboa não se manifestam, mas também são prejudicados. E o Tejo é de todos, não é só das celuloses, têm de tomar medidas. Há uma fábrica de papel em Constança e não tem havido problemas de poluição, os meios para tratar os resíduos têm de ser adequados à produção", defende o Chico da Barragem. Assegura: "Há gente a passar muito mal. Há problemas sociais graves."

Continuando pelo rio em direção a Lisboa, agora já no concelho da Chamusca, em Arripiado, os pescadores começaram a sair com os barcos quando a noite caía. Contam-se oito pescadores na localidade, ali e do outro lado da margem, em Tancos. Carlos Calisto, 43 anos, diz que já começaram a pescar alguma coisa, nada que compense os dias que têm estado parados. "Sempre fui pescador, o meu avó e o meu pai também eram. Desde janeiro que não saía, saí há poucos dias, o rio está um bocadinho mais limpo. Pesquei duas fataças, que deitei fora porque não é a altura, duas bogas e uma solha, mas as as pessoas dizem que o peixe está ruim. Até agora só se pescou aqui uma lampreia, vamos ver se vêm, agora com as águas mais limpas, pois tenho encomendas."

Fonte: DN

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome