Edição online semanal
 
Segunda-feira 22 de Janeiro de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

CGD vende créditos sobre Vale do Lobo por 222,9 milhões de euros

12-01-2018 - Diogo Cavaleiro e André Veríssimo

A Caixa vendeu os créditos que detém sobre Vale do Lobo a um fundo gerido pela ECS. Fica, agora, com unidades de participação desse fundo, que tem mais activos.

A Caixa Geral de Depósitos vendeu os créditos que detém sobre a sociedade Vale do Lobo. O valor da operação através do qual os créditos passam para um fundo gerido pela ECS é de 222,9 milhões de euros. Contudo, o banco público continua exposto à operação, já que fica com unidades de participação do fundo comprador, cuja missão é recuperar o activo turístico e imobiliário.

O comprador é o Fundo de Lazer e Imobiliário Turístico, gerido pela ECS. Este fundo é representado por unidades de participação, que estão nas mãos, sobretudo, de instituições financeiras. Na troca de mais unidades de participação, a CGD, grande credora e accionista da empresa que detém Vale do Lobo, vende os créditos àquele fundo.

Deixando de ter exposição directa aos créditos, a CGD fica exposto ao fundo, onde além destes estão outros activos. O banco não revela qual o impacto desta alienação no seu balanço, tendo em conta que grande parte dos créditos já tinha sido alvo de imparidades, ou seja, reconhecidos como perdidos.

A Caixa foi a grande financiadora da operação Vale do Lobo, operação investigada no âmbito da Operação Marquês. Além de ser accoinista. Os créditos foram vendidos a desconto face ao seu valor.

Os outros bancos que tinham créditos sobre o activo turístico e imobiliário, BCP (que tinha créditos em torno de 60 milhões) e Novo Banco (num valor bastante mais residual), também se desfizeram da sua posição, segundo sabe o Negócios. O banco presidido por Nuno Amado, que era favorável à venda à ECS, não quis fazer comentários.

Objectivo é recuperar

Na prática, o objectivo do fundo é ficar com os créditos e, no âmbito de processos de recuperação da sociedade, convertê-los em capital. Com essa conversão, o fundo fica com o activo em mãos, com a missão de recuperar a operação. O fundo é detido por Fernando Esmeraldo e António de Sousa, este último ex-presidente da CGD, onde esteve até 2004. O banco público entrou no negócio de Vale do Lobo dois anos depois, na administração de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara.

"A CGD confirma que efectuou, no dia 22 de Dezembro, a alienação dos seus créditos sobre o Grupo Vale de Lobo pelo valor de 222,9 milhões de euros. O adquirente foi um fundo investimento da ECS Capital vocacionado para intervir em projectos no sector imobiliário e turístico. A Caixa espera que este activo possa ser recuperado e rentabilizado", indica fonte oficial da instituição financeira.

A operação está ainda pendente de autorizações.

A proposta da ECS superou assim pelo menos uma outra oferta, feita por um fundo de investimento que previa o fim da exposição - directa ou indirecta - do banco público a Vale do Lobo. Contudo, não agradava à administração da CGD.

Foi em 2006 que se iniciou o processo de entrada da CGD no empreendimento turístico. Com a entrada de novos accionistas (os promotores eram Diogo Gaspar Ferreira, Rui Horta e Costa e um grupo liderado por Helder Bataglia), a CGD emprestou 197 milhões de euros, além de ter pago ainda quase 30 milhões para ficar com 25% do capital da sociedade gestora. Os sócios pagaram 10 milhões de euros.

Fonte: Negócios.pt

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome