Edição online semanal
 
Sexta-feira 29 de Maio de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Pandemia afunda PIB em 2,4% no primeiro trimestre

15-05-2020 - Margarida Peixoto

A economia portuguesa enfrenta uma recessão histórica, por causa das medidas de confinamento para conter a pandemia de covid-19. Face ao final de 2019, a travagem é de 3,9%, a maior desde pelo menos 2007.

A economia portuguesa registou um trambolhão de 2,4% no primeiro trimestre do ano, que só contou com um mês (Março) de efeito da pandemia de covid-19. Face ao final do ano passado, a contracção foi de 3,9%, a maior queda trimestral desde pelo menos 2007, revelou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística, na primeira estimativa rápida.

"Reflectindo o impacto económico da pandemia a partir de Março de 2020, o PIB em Portugal apresentou uma variação homóloga de -2,4% em termos reais, no 1º trimestre, após o crescimento homólogo de 2,2% no trimestre anterior", sublinha o INE.

O organismo de estatísticas explica que pela primeira vez desde o terceiro trimestre de 2013, a procura interna deu um contributo negativo para a variação do PIB, tendo passado de uma ajuda de 1,1 pontos percentuais nos últimos três meses do ano passado, para uma situação em que tira um ponto percentual à variação do PIB.

Este comportamento justifica-se pela redução do consumo privado e do investimento – o consumo público aumentou, mas não foi o suficiente para compensar.

Olhando para a procura externa líquida, que resulta do contributo das exportações (que somam ao PIB), menos o das importações (que reduzem), o efeito foi negativo. A procura externa líquida deu um contributo de -1,4 pontos percentuais para a variação homóloga do PIB. No trimestre anterior o contributo tinha sido positivo, em 1,1 pontos percentuais.

A explicar este resultado está uma contracção de 5,1% das exportações, acompanhada por uma redução menor das importações, que caíram 1,8%. "Esta diferença de comportamentos é sobretudo consequência da contracção da actividade turística na evolução das exportações de serviços", explica o INE.

Na comparação trimestre a trimestre, a queda do PIB ainda foi mais impressionante. Depois de um crescimento de 0,7% nos últimos três meses de 2019, a contracção no arranque deste ano foi a maior, pelo menos, em 13 anos.

Face ao final de 2019, o INE dá conta de uma contracção de 7,3% das exportações e de 2,9% nas importações. O resultado foi num contributo negativo, em 2 pontos percentuais, da procura externa líquida. A procura interna registou um contributo negativo mais acentuado, passando de -0,7 pontos no 4º trimestre para -1,9 pontos percentuais.

Fonte: Negócios.pt

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome